18.4.13

exagero onomástico

desenho de Juli Ribeiro o-capuccino.blogspot.com.br
sinto o corpo amortecido
tentando resistir ao efeito
barrando qualquer sentimento
que queira tomar conta das mãos
dos gestos
dos passos...

sinto o humor pesando
pra voltar os pés ao chão
a vida é cheia de coisas
e você não pode devanear
nem esperar demais...

o amor come tudo
come eu
come você
come o próprio amor
que logo fica pouco
frouxo...

na falta de uma sensação que preencha
e das suas mãos na minha cintura
tudo fica solto
talvez o medo seja desproporcional
"confia no amor, na vida e no acaso"
ignora o exagero onomástico
encontra a chave perdida

“Amor, isto não é um livro, sou eu, sou eu que você segura e sou eu que te seguro (é de noite? Estivemos juntos e sozinhos?), caio das páginas nos teus braços, teus dedos me entorpecem, teu hálito, teu pulso, mergulho dos pés à cabeça, delícia, e chega - Chega de saudade, segredo, impromptu, chega de presente deslizando, chega de passado em videotape impossivelmente veloz, repeat, repeat. Toma este beijo só para você e não me esquece mais.”

(Walt Whitman, Folhas da Relva, tradução livre da Ana C.)

Inspirado também no post do peito feito: os três mal amados, uma beleza de se ler e ouvir.




14.4.13

rascunhando: num mar sem ondas



olho muito tempo o corpo de um poema
até perder de vista o que não seja corpo
e sentir separado dentre os dentes
um filete de sangue
nas gengivas


Ana C.

meu corpo insiste em trabalhar fora de compasso, em perder-se na madrugada, na vontade de queimar o tempo e satisfazer desejos nas horas mais impróprias...
impróprias porque não existe tempo pra nada disso na vida real, cheia de compromissos e convívio social fragmentado, mergulhar exige coragem, disposição e tempo.

tempo é dinheiro e não pode ser desperdiçado com vontades marginais.
coragem é liberdade de ser o que se é, enfrentar medos, passar por cima da insegurança e do ridículo, dá um baita trabalho.
a disposição depende de só uma coisa: escolha, escolha por isso e não por aquilo, e mais uma vez as escolhas marginais acabam se perdendo, não são uma prioridade. um segundo plano de escolhas marginais está sempre à espera, na promessa de quando tudo o mais for possível, o amor, o carinho, a poesia, a companhia, as pessoas.

sempre caio na mesma armadilha afinal, afastando as pessoas e choramingando sua falta... incoerência é também querer e fugir, amar e desistir, sonhar e não insistir, ter preguiça de ser o tempo todo, não ter a força necessária pra construir uma continuidade, jogando-me conforme as ondas de um mar de tombo, afogando-me num mar sem ondas.

as luvas vermelhas me protegem de você, do devaneio que é ter você em mim, me iludo achando que posso continuar direita e reta, tudo o mais já se perdeu quando li uma linha sua, olho a imagem refletida das vontades mais perdidas, não quero encarar-te, não ouso encarar-me.

me finjo de menina, tentando enganar o mundo de anseios por uma mulher fraca e sem personalidade, frágil. faço cena e brinco de fazer parte. a noite é outra história, todos os medos acordam e o sono escapa levando o rosado do meu rosto, deixando marcas nos olhos, lágrimas faceiras, imprudentes.

me visto de mulher, tento me convencer, o subjetivo transborda.

desenho de Juli Ribeiro o-capuccino.blogspot.com.br


12.4.13

na falta de palavras

 
das fotos que não tirei
das músicas que ecoam na minha cabeça
e escapam em sussurros

 





 
 








 
 
 
  
 
 as fotos são do site CULTIVANDO FLORES.  
 

3.4.13

o amor, o tempo e o jeito




a madrugada já chegou e nem peguei no meu trabalho
o dia foi pesado
quero pensar sobre o amor
sobre essa vida que levamos e que nos afasta das pessoas
por que diabos fazemos tanto, nos enfiamos em tantas coisas pra não conseguir fazer o que mais importa?
não sei de verdade que caminho é esse que estou seguindo, se faz sentido
tenho um grande medo de estar sendo descuidada, deixando o tempo passar, e mais um dia, mais uma semana, anos, respirações sem sentido
a morte vem e nos sacode
que diabos você está fazendo da sua vida?
tenho aprendido a não jogar tudo para o alto
a acreditar que essa rotina tem motivo
mas caramba, meu peito só me diz o contrário
ele sente, sente forte e não quer saber de horários, de controle, de cumprir tarefas empilhadas e infinitas
deve existir um jeito de combinar essa força sufocada e que quer sair
com alguma necessidade desse mundo caótico

tento não pensar tanto pra não entrar em pânico

mas a sensação de limite não me deixa enganar
preciso de tempo
tempo aqui dentro
pra pensar e enxergar as coisas
organizar as intenções
as emoções, o que faço, o que passo adiante

e todo amor que há nessa vida
que transborda aqui no peito
não quer mais esvair pelo ralo


2.4.13

vendaval



em alguns momentos a vida passa como vendaval nos tirando do prumo
tudo fica fora do lugar e nossos braços e vozes não alcançam, não são suficientes
nem pra acalentar, nem pra oferecer o ombro
uma vida para equilibrar que foge completamente do esperado, do planejado pra hoje, pra amanhã
só resta correr atrás, tentar se dividir no que dá
aceitar o acaso, seu bem e seu mal
e concentrar na consciência
pra não deixar de acreditar e confiar na vida
tudo a seu tempo
tempo. tempo... tempo:
vá com calma por favor!


1.4.13

almoço de família




esse feriado passou cheio de tranquilidade e de pessoas queridas.
pessoas de sempre e de saudades, agregados indispensáveis, novidades com cara de aconchego de sempre.
sabe?
daqueles aconchegos que quando a gente sente, não sabe como foi possível viver sem...
assim.
um embrulho de dias só pra mim divididos em manhãs, manhas, sorrisos, risadas, comida gostosa de mãe, visita esperada de pai e de irmãs, filho. não come tantos chocolates pequeno! olha que tanta metafísica assim numa barriga magrela não pode dar certo!
e então... a gente entende que almoço de família pode ser tão bom. e que a família vai se transformando conforme a vida e nós mesmos vamos mudando, e quando cresce assim alegre e cheia de carinho, só pode ser bom sinal.